Arquivos de sites

Vídeo Chacaltaya

Hoje tirei o dia para organizar os arquivos de meu pc e acabei encontrando alguns vídeos bem interessantes. O vídeo acima foi feito no Mte. Chacaltaya – Bolívia, no começo de 2009. Essa trip foi muito bacana e vale a pena relembrar algumas imagens, já que muitas delas acabam ficando somente em nossa memória.

Como diz meu amigo Cholate no vídeo: mucho bueno!

Anúncios

Lendas Incas: O Lago Titicaca

Passar alguns dias junto aos povos e regiões andinas certamente nos faz acreditar que se está pisando numa terra repleta de histórias, mitos e lendas. Umas das lendas oriundas do povo inca, se refere ao Lago Titicaca.

Conta-se que a muito tempo atrás a região do Titicaca era um vale bastante fértil, habitado por homens que viviam felizes e tranquilos. Nada lhes faltava, a terra era muito rica, fértil e os presenteava com tudo do que necessitavam. Nesta terra não se conhecia nem a morte, nem o ódio, nem a ambição. Os Apus, que eram os deuses das montanhas, protegiam a todos. Os Apus impuseram apenas uma proibição: nada, nem ninguém deveria subir nas montanhas, onde estava acesso o “fogo sagrado”.

Durante muito tempo não passava pela cabeça dos homens  desrespeitar esta simples regra. Mas o demônio, espírito maligno, condenado a viver na repleta escuridão, não suportava ver a felicidade e tranquilidade com as quais os homens viviam no vale. Coberto de inveja ele começou a semear a discórdia, pedindo a eles que provassem sua coragem e fossem buscar o “fogo sagrado” nas montanhas.

Então, num belo dia pela manhã, os homens iniciaram sua escalada nas montanhas, mas no meio do caminho foram surpreendidos pelos Apus. Estes entenderam que os homens haviam desobedecido sua única regra e que deveriam ser exterminados. Milhares de pumas saíram das cavernas e devoraram os homens enquanto estes suplicavam ao demônio por sua ajuda, enquanto este permaneceu insensível as suas súplicas.

Vendo isto, Inti, o deus do sol, começou a chorar. Suas lágrimas eram tão abundantes que em quarenta dias inundou todo o vale. Somente um homem e uma mulher conseguiram se salvar, sobre uma barca de junco.

Quando o sol brilhou novamente, o homem e a mulher não conseguiam acreditar no que seus olhos viam: abaixo do céu azul estava um lago imenso e límpido. No meio de suas águas flutuavam os pumas, afogados e transformados em estátuas de pedra.

Chamaram então o lago Titicaca de “o lago dos pumas de pedra”.

intiInti, o deus do sol.

Copacabana

Lago Titicaca
Jantar em Copacabana. No menu lasagna de truta.
Bicicleta frigorifico.
Cruzando o lago.
Saimos cedinho de La Paz com destino a cidade de Copacabana. O frio, para variar, nao nos deu nenhuma tregua. A viagem de La Paz a Copacabana durou aproximadamente 3 horas. Chegamos as 4 da tarde e passamos um certo perrengue para conseguir hotel. Por final encontramos um hotelzinho simplinho, mas que serviu para descansarmos.
O Cholate ficou maluco com as feirinhas. Tudo com preco atrativo!!

Mais Fotos de La Paz

Fetos de llama usados para magia negra. Encontram-se a venda no Mercado de Las Brujas.
Em La Paz ficamos na casa do Pepe.
Pelos becos de La Paz

Ruínas de Tiahuanaco

Detalhes do encaixe das pedras.
Lá estávamos nós…
O museo é bastante atrativo, com cranios e mumias.
O Portal do Sol
Essas ruinas ficam localizadas no lado sul do Lago Titicaca. A cultura Tiahuanaco ocupou o altiplano boliviano a pelo menos 3.000 anos atrás. Ainda existe muita coisa a ser descoberta e escavada. Tiramos a tarde para conhecer estas ruínas maravilhosas. Mais uma vez quem nos levou até lá foi o nosso companheiro Jorge. A chuva continua nao dando trégua, nem o vento. Cholate, Marçal e Ariadne aproveitaram para comprar souvenirs, que inclusive estavam mais baratos. Pechinchar também conta, e o Cholate adora fazer isso. O piá para em todas as lojinhas e pergunta o preço de tudo! Ah, e é ele que bota o preço!

Subindo o Chacaltaya

O nevado Potosi, visto do Chacaltaya.
Os caras que “desafiaram” os 5380 metros.
O abrigo de montanha.
Vista do alto da montanha.
Jorge e sua van.
O Mte Chacaltaya é uma excelente opçao para aquelas pessoas que desejam sentir a sensaçao de estar a mais de 5.000 metros de altitude. O melhor de tudo: pode-se chegar lá de carro ou van. Locamos uma van, cujo o condutor chamava-se Jorge. Gente boa o tiozinho! Nos levou pelos caminhos tortuosos, com uma magnifica visao de desfiladeiros, lagos, montanhas e paisagens maravilhosas. Infelizmente havia pouca neve.A van vai até o abrigo de montanha, o restante do caminho até o cume é feito a pé. Um trecho curto, mas muito cansativo devido ao ar rarefeito. A grande verdade é que eu e a Ariadne ainda estamos um pouco atordoados por causa da altitude. Ontem e hoje passei o dia todo com tonturas, dor de cabeça e dor de garganta. Nao dá pra vacilar!

Nas Ruas de La Paz

Um dos bruxos na frente da Igreja de San Francisco.
A cidade de La Paz vista de cima. O centro fica numa cratéra.
Detalhe das ruas da cidade.
Senhora pedindo desesperadamente sua esmola.
A cidade de La Paz fica localizada a 3650 metros de altitude. A cidade é muito movimentada, com transito caótico. Acordamos logo cedo e fomos dar uma circulada pelo centro da cidade.Conhecemos a Iglesia de San Francisco e quase todas as feiras ao redor do Hotel. O povo é muito humilde, e é de se admirar a quantidade de idosos e crianças desabrigadas pedindo esmolas pelas ruas. Mesmo com todo este sofrimento percebe-se que o povo está sempre sorrindo.Esta fazendo frio, com media de 6 graus durante o dia. A chuva também nao nos deu trégua até agora.

Entre Santa Cruz de La Sierra e La Paz

Uma das paradas sinistras do caminho.
Cholate encarando um sorvetinho… Estava uma delícia!!
Saímos de Sta Cruz de La Sierra, por volta das 10h da manha. O troço é muito zoneado… Pasmem! Tinha até cachorro no bonde. O “perrinho” foi sentadinho no pé do Cholate…A viagem foi cansativa e paramos em alguns lugares “paradisíacos” (claro que é exagero!). Um fedor de mijo, com esgoto e nós sem coragem de comer absolutamente NADA!! Na segunda parada, que foi na madrugada, o ambiente era iluminado por velas e o banheiro paraceia uma camara de gás, caso respirasse o ar morreria.Depois que passamos pela cidade de Cochabamba o clima mudou, e o onibus também. Começou a ficar muito frio. Chegamos de madrugada em La Paz e seguimos direto para o Hostal Torino, lugar até que limpinho e com camas quentinhas.

Eu Vou Andar de Trem… da Morte

O Trem da Morte em Puerto Quijarro
Detalhe da higiene local.Um dos belíssimos vilarejos do caminho…Pollo

Detalhe do vagao

Marçal e Cholate numa buena.


Ariadne, sentadinha em sua poltrona.
Vamos lhes contar com a maior riqueza de detalhes possível como é a lendária viagem com o tal Trem da Morte.
Entao, saímos da cidade de Puerto Quijarro as 12h45min. Por fora o trem parece maravilhoso, com suas belas poltronas. A classe que compramos (Pullman) também favorecia, porque era a melhor classe. O começo até que foi tranquilo e conseguimos nos acomodar na primeira hora de viagem. Após a segunda hora já nao aguentávamos mais ficar sentados… O trem foi parando de vilarejo em vilarejo, totalizando pelo menos uns 30 vilarejos. Em cada maldito vilarejo o trem parava e entravam crianças e mulheres vendendo os mais deliciosos petiscos do lugar, como: pollo (frango, para os leigos), humintas (um treco de milho), chipa (biscoito seco, tipo pao de queijo), espetinho de carne (de pollo e sabe-se lá mais o que), soda, chaichairúúúúúúú, água (engarrafada na própria casa do sujeito que vendia), frutas, iogurtes, óculos de sol e bugigangas diversas. Tudo preparado com a mais perfeita higiene, ou seja, comer nem pensar…. Passamos 23 horas na base do salgadinho, bolacha e refri. Evitamos ao máximo ter um desarranjo, mas o imundo do Cholate comeu uma porcaria de chipa (foram duassss) e relatou que estava delicioso, nem caganeira deu… ainda…
A noite no trem foi um inferno, gente entrando e saindo, o trem parando, mosquitos, pulgas, a maldita porta de nosso vagao nao fechava, além do fedor de mijo do banheiro.
Chegamos na cidade de Sta Cruz de La Sierra morrendo de fome, buscamos um hotelzinho e fomos direto comer… Agora a noite estamos dando uma voltinha na cidade (muitoooo calor) e amanha cedinho seguiremos a La Paz.

Bienvenidos a Bolívia

Entrada no país vizinho.

Pessoal, isto é um açougue. O cara tinha acabado de matar o boi. Notem que nao há freezer.

A galera dentro do taxi em Puerto Quijarro.

A viagem de Campo Grande até a cidade de Corumbá foi bastante tranquila. Dormimos feito pedra. Chegamos no rodoviária e logo fomos atrás da operadora de turismo (Indiana Turismo) que nos vendeu as passagens do Trem da Morte antecipadas. Aliás, indico essa agência para a galera que tem vontade de fazer esta trip. Conseguimos uma carona com o cara da Indiana tur em sua comboza. O cara foi gente boa, cobrou R$ 5 por pessoa e nos deixou na fronteira, na cidade de Puerto Quijarro. Fizemos os trâmites legais e pegamos um taxi por R$12,00. Entupimos o taxi, fomos todos amontoados no carro.
Nesse momento estamos esperando a lata velha, também conhecida como Trem da Morte, com destino a cidade de Sta Cruz de La Sierra.
Ah, nas fotos acima vocês podem conferir um pouco das peculiariedades da cidade de Puerto Quijarro.
%d bloggers like this: